O monge e o macaco

Era uma vez um rapaz que gostava de programar. Ele descobriu a programação por acaso e se encantou com a idéia de transformar as idéias na sua cabeça em software para que outras pessoas pudessem usar. Então ele começou uma jornada em busca da linguagem que fosse capaz de expressar exatamente o que ele pensava.

Ele começou com Pascal e aprendeu que com ela poderia iterar e recursar, modularizar e estruturar. E viu que isso era bom, e estudou mais e mais, e naquela época ele foi feliz. Porém o excesso de restrições começou a travar o seu pensamento e nessa época ele foi infeliz.

Então ele decidiu que queria algo que melhor e procurou Java. E então ele aprendeu que poderia orientar a objeto sem se preocupar com a coleta de lixo. E viu que isso era bom e nessa época ele foi feliz. Mas chegou um dia que o excesso de camadas começou a travar o seu pensamento e nessa época ele foi infeliz.

Então ele decidiu que se quisesse ser um programador de vedade teria que aprender C e Assembly. Ele estudou e estudou, e descobriu que podia fazer tudo que sua mente imaginava, inclusive besteiras. E nessa época ele foi feliz. Ele tinha para si todo o controle da máquina e assumiu a responsabilidade sobre esse poder. Ele percebeu que poderia ter o que tinha em Pascal, com C e ele foi feliz. Ele percebeu que poderia ter o que tinha em Java, com C++ e ele foi feliz. E ele percebeu que poderia ter o que quisesse se estivesse disposto a pagar o preço em Assembly, e ele foi muito feliz.

Mas algo faltava que ainda o incomodava e ele não sabia explicar o porquê. Tentou escrever um programa que explicasse o que faltava, mas não conseguiu resolver. Então, nessa época, ele foi infeliz. Ele se desesperou, e procurou apender todas as linguagens do mundo, mas nenhuma era suficiente para explicar o que estava faltando. Tentou VB, C#, Python, Lisp e nada. Nem mesmo Brainfuck conseguia explicar o que faltava. E ele era infeliz, e até a sua infelicidade era incompleta. Ele pensou em desistir, mas até esse pensamento era incompleto.

Então um dia ele conheceu um monge e esse monge lhe apresentou uma nova linguagem não muito conhecida. Ele viu mas não ficou interessado, pois nenhuma linguagem até ali havia mostrado o que lhe faltava. Mas o monge insistiu e ele aceitou, e então ele começou a estudar Perl.

Então ele viu que a linguagem era cheia de símbolos e construções estranhas e aquilo não era bom. Era feio e esquisito, e ele continuava sem saber o que lhe faltava. Sua mente já estava cansada e seus pensamentos minguavam, mas algo o impelia a continuar e estudar.

Um dia, ele não sabe qual, aconteceu algo e ele não soube o quê. Veio um estalo e tudo se tornou claro. Seu mundo de sombras teve luz. E ele não sabia explicar o que era, mas isso era bom e ele foi feliz.

Então ele procurou fazer um retrospecto de seu caminho até ali para descobrir o que lhe acontecera. Ele olhou para si e descobriu que podia ver coisas que não via antes. Ele olhou para Pascal e resolveu problemas que não tinham solução naquela época. Ele olhou para Java e entendeu quais eram as camadas necessárias e quais eram as barreiras. Ele olhou para C e percebeu que a linguagem era tão poderosa que ele deixou-a amarrar suas mãos e prender sua mente, e ele entendeu como utilizar por completo esse poder a seu favor. Ele olhou para VB, C# e todo o .NET e aceitou que era melhor mesmo deixar pra lá... Então ele olhou para Lisp e viu como realmente eram escritas as linhas de código do universo, e que tinha Perl colando as coisas.

Então ele olhou para Perl, e notou que os símbolos estranhos eram só atalhos para abstrações e que a linguagem era muito mais que isso. Era grande, poderosa, flexível e bela, muito bela.

E foi aí que ele descobriu o que lhe faltava, e isso não era uma linguagem de programação. Perl lhe trouxe uma nova forma de olhar para o mundo e perceber coisas que antes ele não percebia. Perl o iluminou e libertou sua mente, e ele entendeu que até ali tinha sido apenas um macaco, repetindo comandos e algoritmos sem entender o seu real significado. Não importava qual era a linguagem, ele era somente um macaco, e antes desse estalo, mesmo com Perl ele não compreendia. Mesmo com Perl ele continuava a ser um macaco, e teria sido assim se ele não tivesse compreendido. Não importaria qual a nova linguagem, ele continuaria a ser um macaco.

Ele percebeu que sua mente estava escravizada por mecanismos que a obrigavam a não pensar, e quanto mais linguagens ele aprendia, mais e mais mecanismos apareciam para oprimir e degradar seu pensamento.

Então agora finalmente ele havia descoberto que o que lhe faltava não era uma tecnologia, mas sim era libertar a sua mente. Ele tornou-se um monge. E ele se libertou dos mecanismos de opressão, e todas as linguagens que ele conhecia passaram a se completar e fazer sentido. Ele não mais programava, mas falava Perl, então ele foi capaz de expressar completamente seus pensamentos em qualquer linguagem, e assim ele foi finalmente feliz.